Freqüentemente Zingg se pergunta se o empenho em preservar fragmentos visíveis de tempos passados não é apenas um desejo freudiano de volta ao útero. De toda forma, ele conclui que é um trabalho fascinante e que alguém tem que fazê-lo.